terça-feira, 24 de setembro de 2013

Saiba mais sobre o Espetáculo "Água de Beber"

O Espetáculo "Água de Beber" tem rodado o Brasil levando nossa arte para os palcos. Mas tem muita gente que ainda não sabe ao certo o que se trata. Agora você vai saber de tudo!

ÁGUA DE BEBER
   SINOPSE

A  história, as danças, cantos, símbolos, dentre outros elementos ligados  à Capoeira no Brasil, são revisitados nessa peça, escrita e dirigida por Cláudio Baltar.
Os atores executam músicas, danças e jogo de capoeira, enquanto dramatizam depoimentos de mestres e estudiosos,  a relação entre mestre-discípulo, contos, anúncios de jornal sobre escravos fugidos e documentos históricos do século XIX sobre a repressão à “capoeiragem”. 
Contagiante jogo teatral que traduz a ginga e a magia da Capoeira, trazendo a água como símbolo da vida e princípio das transformações: “Capoeira é água de beber, camará...”!
Elenco: Charles Rosa, Davi Santos, Fábio Lima, Raphael Logam,  Sérgio Salles, Sergio Henrique  William de Paula
Produção: João de Mello e Vânia De Mello.
http://www.facebook.com/aguadebebercamara
Duração: 70 min | Classificação etária: 10 anos  | Gênero : Teatro

APRESENTAÇÃO

Uma peça que reflete, investiga, instiga, diverte, emociona, bebendo na fonte da Capoeira, esta autêntica expressão cultural elevada à condição de Patrimônio Imaterial em 2008.
É a esse manancial de inspiração que o autor e diretor Cláudio Baltar, capoeirista há mais de 30 anos, sempre recorre para suas criações artísticas. Em Água de Beber, a obra torna-se a própria fonte, em cujas águas enxergamos o reflexo de nossas raízes culturais, de nossa complexa e rica identidade brasileira, de nosso espírito de resistência, brejeirice e “jogo de cintura”.
O texto brota de várias fontes: contos de ‘Santugri’, de Muniz Sodré, depoimentos deste escritor, dos mestres Camisa e Nestor Capoeira, do antropólogo Bernardo Conde, da neurologista Dra. Rosali Correa e documentos históricos do final do século XIX, vindos à tona através de estudos de Lilian Moritz Schwarcz, Paulo Coelho de Araújo e Mestre Nestor Capoeira.
Para recriar o universo da Capoeira em cena, o diretor canaliza os múltiplos talentos dos seus artistas-capoeiristas (música, percussão, dança, acrobacia, entre outros) e une a linguagem cênica à dança, à música e às artes visuais. O encontro dos artistas Brígida Baltar e Rico Vilarouca conflui para a poesia das imagens projetadas ao longo da peça.
Surpreendente também a trajetória dessa montagem, que nasce em 2007 com o Prêmio Myriam Muniz, segue seu curso Rio adentro até 2008. E, como fonte que nunca seca, ressurge em 2011, ao ser o único espetáculo estrangeiro selecionado para o Festival Premiers Pas, na sede do Théâtre du Soleil
Com a determinação do diretor, do produtor e a coragem do elenco, a peça atravessa o Atlântico e deságua em Paris por um mês. A divulgação corre “de bouche en oreille” (no boca a orelha), na língua de Molière e, num bom português, no “boca a boca”, conquistando desde as trupes do Festival quanto espectadores de fora. Já os aplausos chegaram espontaneamente de pé, algo raríssimo em solo francês.
Em 2012, com o prêmio FATE (SMC-RJ), “Água” se renova numa exitosa temporada no Rio de Janeiro.
Em, a convite do SESC, nosso jogo subiu a serra para o Festival de Inverno. Foi o único espetáculo que apresentou-se nas três unidades Sesc participantes do Festival.
E, ao som de berimbaus, atabaques, convidamos todos a ir nas nossas águas, pois Capoeira é “Água de Beber, camará…”

 O DIRETOR

“Depois de 30 anos praticando, observando e estudando a capoeira, resolvi finalmente amadurecer este projeto, que há muito esperava nos arquivos a oportunidade de se concretizar. Trata-se de uma volta às origens, pois foi através da capoeira que descobri as possibilidades do meu corpo em movimento, da expressão da minha voz e do meu ritmo dentro de um grupo. A capoeira é uma fonte de inspiração inesgotável, à qual eu sempre retorno para matar a sede. Uma arte que se transforma e se molda como a água, de acordo com o contexto que se vive no espaço e no tempo do ritual de uma roda de capoeira. “Água de Beber” é uma reflexão atual sobre a capoeira, trazendo, não uma, mas muitas visões acerca de uma das manifestações mais ricas da nossa cultura popular”. CLÁUDIO BALTAR

FICHA TÉCNICA

 Direção, Concepção e Roteiro                          Cláudio Baltar
Direção de Produção                                           João de Mello
Produção Executiva                                            Vânia De Mello
Codireção                                                               Fabianna de Mello e Souza
Assistente de produção                                      Alvaro Bacim e Sandra Alencar
Iluminação                                                             Aurélio de Simoni
Adaptação e Montagem de Luz                                  Rogério Emerson
Assistente de Iluminação                                    Gabriel Santucci
Design                                                                      Brígida Baltar e Rico Vilarouca
Figurino                                                                  Vânia De Mello
Assistente de Figurino                                         Leila de Moraes
Fotografia                                                             Alvaro Bacim
Confecção de Máscaras                                                 Clívia Cohen
Adereços                                                                 Cida de Souza
Objetos de Cena                                                   Marcos China
Confecção de Instrumentos                              Sérgio Salles e Marcos China
Direção Musical e Trilha                                    Rafael Rocha, Fábio Lima e Sérgio Salles
Preparação Jogo dos Bichos                             Mestre Camisa
Preparação Jogo de Dentro                              Marrom Capoeira
Vozes em Off                                                            Bernardo Conde, Muniz Sodré, Rodrigo                                                                                                      Santos          
Cordel ‘A Peleja da Cabeça e do Corpo’          C. Baltar, Fábio Lima e Lobisomem
Música ‘Batidão do Indizível’ e ‘Malta’           Bernardo Palmeira
Música ‘Água pra Viver’                                       Cebolão e Lobisomem
Música ‘A Roda’                                                     Fábio Lima e C. Baltar (Parafina)
Estúdio e Mixagem                                                Bernardo Palmeira
PRODUÇÃO                                                             Meia Lua de Compasso Produções Artísticas e
                                                                                     Elaboratus Produções Artísticas 
ELENCO

Charles Rosa
Davi Santos (Mico Preto)
Fábio Lima (Leão Pequeno)
Raphael Logam (Bonezinho)
Sérgio Salles (Cebolla)
Sérgio Henrique (Gargamel


O espetáculo é uma produção de MEIA LUA DE COMPASSO PRODUÇÕES ARTÍSTICAS LTDA-ME. Para saber mais, basta curtir a página no Facebook!


Gostaria de agradecer a produção que se mostrou solícita e nos passou as informações para que pudessem ser divulgadas aqui.

Um comentário:

  1. Bela homenagem e importante divulgação do nosso espetáculo ÁGUA DE BEBER, pequenas histórias de Capoeira, do Hoje tem Capoeira!

    Acreditamosno no círculo, que é uma roda, o bem, da paz, da amizade, da sintonia, da integração, do Divino e da nossa imensa vontade de mostrar o quanto é importante a Arte da Capoeira com esse espetáculo.
    Temos fé que conseguiremos patrocínio, para levarmos esse espetáculo para muitos teatros e espaços do Norte ao Sul do Brasil. Contamos com vocês Capoeiras. Convidem todos os amigos a conhecerm nosso trabalho. Chamaremos a atenção das empresas a investirem nesses projeto e em outros de Capoeira. Esperamos em breve , receber vocês numa de nossas apresentações. Axé

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...